Dividir e governar vidas! Líbano Parte 3

Será que fundos ilimitados e falta de escrúpulos farão do Líbano a próxima Síria?

Uma posição de Jochen Mitschka.

Depois das eleições de 2018 (1), nas quais o Hezbollah – um rumor diz que agora deve ser banido na Alemanha como organização terrorista sob pressão dos EUA e de Israel – surgiu como a maior força política, a aprovação cresceu continuamente. Porque a corrupção e a representação de interesses estrangeiros por outros grupos no Líbano é demasiado forte, enquanto o Hezbollah há muito que ultrapassou as diferenças étnicas e religiosas com o nacionalismo anti-americano árabe. Isto fez do movimento de resistência o maior inimigo dos EUA e de Israel. E quando o povo do país saiu às ruas há algumas semanas contra a corrupção (2+3), forçando o governo a demitir-se, forças estrangeiras manipularam habilmente esses protestos de tal forma que agora são parcialmente dirigidos contra o Hezbollah.  As perspectivas são sombrias.

Formar um novo governo que possa acabar com os motins é extremamente difícil. Pode demorar vários meses, como da última vez. E o Primeiro-Ministro Hariri, demissionário, que é em princípio um fantoche da Arábia Saudita, deve tornar mais difícil a formação de um novo governo.  O medo de uma nova guerra civil está a aumentar. Uma tal guerra civil seria, naturalmente, do interesse dos EUA, de Israel e da Arábia Saudita. Porque enfraqueceria o país, torná-lo-ia ainda mais dependente e, acima de tudo, empregaria o Hezbollah.  Como é que “dividir para reinar” funciona aqui?

O exército, como única força puramente governamental para a ordem, muitas vezes segue as ordens dos EUA, e no final se recusou a limpar as principais estradas do país de bloqueios. Isto depois de ter recebido a ordem da liderança política do país em 25 de novembro, e inicialmente também deu a impressão de querer implementá-la.

Os bloqueios são estratégicos. As estradas entre o sul do Líbano e a capital e as ligações a Baalbeck, bem como a principal ligação à Síria e a Damasco são interrompidas. Estas regiões são habitadas principalmente por xiitas, e são principalmente bloqueadas onde a maioria são muçulmanos sunitas. Mas também onde os drusos podem exercer controlo sobre a região. É claro que há também o bloqueio das ruas da parte do país dominada pelos cristãos por milícias ou partidos cristãos amigos dos EUA, como as “forças libanesas”. Mas algumas pessoas no Líbano acreditam que isto é antes uma distracção do objectivo principal da agitação agora dirigida. O principal objectivo, que está a tornar-se cada vez mais visível, é provocar o Hezbollah a tomar as ruas.

Se o Hezbollah fizesse isso, poderia assumir o controlo em muito pouco tempo. Isto, por sua vez, conduziria certamente directamente a uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que condenaria exactamente isso e resultaria em mais sanções. Poderá ser o sinal de partida para o destacamento de forças estrangeiras e, acima de tudo, para um ataque israelita.

Uma situação semelhante já existia em 2008 (4). Nesse ano também houve meses de protestos que acabaram ficando fora de controle (5). Mesmo assim, a corrupção era um grande problema contra o qual as pessoas saíam para as ruas, que foi depois redefinido por círculos interessados para outros fins. Quando o governo demitiu o chefe de segurança do aeroporto de Beirute porque ele supostamente pertencia ao Hezbollah, e então as forças de segurança dominadas pelos EUA queriam destruir a rede independente de fibra óptica do Hezbollah, o secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, declarou-o uma declaração de guerra. De facto, esta rede de fibra óptica é a espinha dorsal da organização militar do Hezbollah. Sem esta rede, que os serviços secretos israelenses supostamente tentaram invadir várias vezes sem resultado, a coordenação da defesa do país contra um ataque israelense seria inútil.

Os combatentes do Hezbollah tomaram então o controlo de várias partes de Beirute, derrotando a milícia do Movimento Futuro. O exército era neutro e o Hezbollah transferiu o controlo para o exército, que, apesar da pressão dos EUA, decidiu trabalhar para manter a rede do Hezbollah. Isto impediu uma guerra civil em grande escala no último momento.

O que dificilmente se sabe é que mercenários armados pelos EUA já se tinham reunido e escondido em Beirute para disparar a guerra civil. Centenas de milhões de dólares tinham sido gastos. Mas o destacamento rápido e determinado dos combatentes do Hezbollah e a atitude neutra do exército levaram ao facto de não ter chegado à guerra civil esperada por certos círculos.

Lembramos mais uma vez que a política de “destruição criativa” desde o discurso de Condoleeza Rize em Tel Aviv tem sido o objetivo declarado da política externa dos EUA no Oriente Médio.

A Secretária de Estado Condoleezza Rice disse durante uma conferência de imprensa:

“O que vemos aqui [a destruição do Líbano e os ataques israelenses no Líbano] é de alguma forma as dores de parto de um novo Oriente Médio, e o que quer que façamos [os EUA], devemos ter certeza de que estamos trabalhando para um novo Oriente Médio e não retornando ao antigo” (6). A Ministra das Relações Exteriores Rice foi imediatamente criticada tanto no Líbano quanto internacionalmente por suas declarações documentando sua indiferença ao sofrimento de uma nação inteira indiscriminadamente bombardeada pela Força Aérea Israelense. (…) De acordo com o Professor Mark Levine, “os globalizadores neoliberais, os neoconservadores e, em última análise, a administração Bush se apegariam à noção de destruição criativa porque ela melhor descreve o processo pelo qual eles esperam estabelecer sua nova ordem mundial. Levine também cita o filósofo neoconservador e conselheiro de Bush Michael Ledeen como dizendo: “Para os seguidores da destruição criativa, os EUA são uma grande força revolucionária cuja essência é a destruição criativa (7)”(8).

De volta ao ano de 2019. O Hezbollah vai ser desafiado novamente. Não podemos perdoá-la por ter lutado tão bem contra o EI na Síria e, assim, frustrado os planos de derrubar Assad juntamente com o Irão e a Rússia. Agora parece que ela está sendo provocada no Líbano até que finalmente toma as ruas. O objectivo, então, não é derrotar o Hezbollah numa guerra civil. Pelo contrário, deve ser deslegitimado internacionalmente, trazendo ao seu alcance o destacamento de forças estrangeiras “para salvar a democracia no Líbano”.

Uma luta doméstica pelo poder está actualmente em curso em Israel. Benjamin Netanyahu não está apenas a lutar pelo cargo de primeiro-ministro, mas também contra ir a tribunal por acusações maciças de corrupção. E o que se tornou conhecido até agora é apenas o começo. A Alemanha também pode ser afetada mais uma vez quando o Ministério Público israelense se concentrar no presente de um submarino que foi convertido em portador de armas nucleares, através do qual Israel pode agora ameaçar qualquer capital do mundo com armas nucleares, e a entrega de mais barcos subsidiados (9). Nesta situação, seria um golpe libertador para Netanyahu se ele pudesse justificar um ataque contra o Líbano com a “tomada do poder” do Hezbollah. E mais e mais pessoas no Líbano temem a eclosão da guerra e da guerra civil agora que o exército se recusa a agir contra os bloqueios das principais estradas do país.

A incrível conquista do “dividir para reinar” é que os protagonistas da divisão do país conseguiram transformar as manifestações legítimas, unindo todas as etnias e religiões, com as quais a situação começou, em uma situação de pré-insurgência, na qual as divisões sectárias estão novamente emergindo. Mais uma vez, mostra o que os fundos ilimitados e as possibilidades dos serviços secretos são capazes de afectar.

Desta vez, porém, a situação é ainda mais explosiva do que em 2008, porque o Irã havia advertido a Arábia Saudita e Israel para não cruzar a “Linha Vermelha” na Líbia. Trata-se do desencadeamento de uma guerra civil que conduz à intervenção de tropas estrangeiras. Caso Israel volte a atacar o Líbano desta vez, o Irão poderá ser forçado a apoiar o Hezbollah não só com armas e dinheiro.  E uma expansão do conflito seria então inevitável.

Mas talvez este seja exactamente o objectivo dos estrategistas em Washington e Telavive. Porque, de facto, não é o Hezbollah que é o inimigo a quem se dirige a principal preocupação das forças imperiais, mas sim o Irão. Apesar das sanções opressivas, apesar dos constantes bombardeios de Israel na Síria, apesar dos ataques de “terroristas” em várias frentes, o Irã conseguiu construir um eixo de resistência contra as reivindicações hegemônicas dos EUA. O Irão ajudou o Iraque a pôr fim à ocupação norte-americana, foi decisivo na defesa do Iraque e da Síria contra o EI, e o país foi activo no Iémen com pouca mas decisiva assistência consultiva, o que colocou em seu lugar o milenar atacante superior Arábia Saudita.

No artigo de um jornal americano dizia-se: “A Síria está perdida, vamos salvar o Líbano”. Por outras palavras, o regime “Mudança na Síria” não funcionou, pelo que temos agora de nos concentrar no Líbano. Com efeito, receia-se que, se os desenvolvimentos continuassem como nos últimos meses, o Líbano faria parte, dentro de alguns meses, do eixo de resistência do Iémen, Irão, Iraque, Síria… Líbano.

Assim, as imagens dos protestos que agora estão agitando o país por quase 40 dias mudaram. Enquanto no início eram cartazes auto-pintados em cartão, cores brilhantes, dança e música, agora as bandeiras são distribuídas gratuitamente, assim como os cartazes, comida e bebida.

A Nação também vê uma falsa política dos EUA em ação.

“Enquanto Trump corta a ajuda militar ao Líbano, o seu Departamento do Tesouro está pressionando os bancos do Líbano para provar que eles não estão fornecendo fundos para o Hezbollah. É contra o Hezbollah”, disse-me um importante político libanês, “mas é também contra o sistema bancário libanês”. Ele disse que o país normalmente recebeu cerca de $8.5 bilhões por ano através de remessas de trabalhadores estrangeiros libaneses, mas que caiu para $3 bilhões este ano.  (10)

De acordo com o libanês, a razão para este declínio está no medo de ser marcado como um “apoiador do Hibollah” por remessas de volta para casa dos EUA. O que pode levar a sanções devastadoras. O artigo continua:

“Importamos bens no valor de 20 biliões de dólares e não temos petróleo. Sem as remessas, sem a prometida ajuda de 11 bilhões de dólares da Conferência de Paris do ano passado para a dívida libanesa, que nunca foi remetida, ou qualquer outro financiamento externo, o Líbano logo estará de joelhos. Ninguém se lembra do que aconteceu ao Líbano quando o exército libanês se desmoronou em Fevereiro de 1984? Isto levou a uma era de sequestro de estrangeiros, sequestro de aviões, acolhimento de terroristas de muitos países e um êxodo em massa de libaneses em todos os cantos do mundo”. (10)

Charles Glass, o autor deste artigo em A Nação, explica o que todos devem saber. Trump e todos os governos dos EUA desde a Revolução do Irã em 1979 não é sobre o Líbano, mas sobre o enfraquecimento do poder regional emergente do Irã. O Líbano seria somente um “dano colateral” na guerra econômica contra o Irã, ele diz, e isso provavelmente terá que prová-lo direito.

Ele aponta para os paralelos com a guerra contra a Síria e salienta que o Hezbollah nunca teria existido no Líbano se Israel não tivesse invadido o Líbano.

“O Hezbollah nunca teria vindo à existência sem a invasão de Israel do Líbano e o acordo do governo de Reagan a ele em 1982. Os Guardas Revolucionários Iranianos treinaram militantes xiitas para preencher a lacuna criada pela expulsão de Israel dos comandos da Organização para a Libertação da Palestina. Os maus-tratos infligidos por Israel aos xiitas sob ocupação alimentaram a única guerra árabe bem sucedida contra Israel. (10)

Glass salienta que o Hezbollah há muito abandonou o objetivo de transformar o Líbano em uma república islâmica modelada no Irã. Hoje, é um partido político respeitado e importante no país, que, no entanto, através da cooperação com as elites corruptas no interesse da estabilidade política, está agora também a ficar com alguma da raiva da população.

Deve-se saber que Israel atacou o sul do Líbano em 1978 e ainda ocupa as chamadas “Fazendas Shebaa”, um pequeno pedaço de terra no Líbano. Enquanto Israel afirma que este pedaço de terra faz parte dos Montes Golã, que pertencem à Síria, o Hezbollah insiste que faz parte do Líbano. As Nações Unidas salientaram que Israel deve renunciar à ocupação e que, em seguida, deve ser encontrado um acordo entre a Síria e o Líbano (11). Mas este acordo só poderia ter acontecido se Israel não tivesse feito da ocupação uma anexação com a bênção de Trump. O Hezbollah, enquanto partido político, declarou que não seria desarmado enquanto as explorações agrícolas de Shebaa não voltassem a fazer parte do Líbano.

Vidro e muitos outros especialistas do Líbano e do Oriente Médio vêem uma nova fonte de fogo no horizonte devido à guerra dos EUA e Israel contra o Irã. Desta vez no Líbano. Mas há um vislumbre de esperança. Ainda não está claro como se comportarão a Rússia e a China. O Presidente russo Putin já tinha declarado que a Rússia não podia salvar o mundo inteiro, mas estava estritamente preocupado em proteger os seus próprios interesses e queria interferir o menos possível nos assuntos de outros Estados. A Rússia está também a tentar manter boas relações com a Arábia Saudita e Israel. Mas a China poderia pelo menos evitar o colapso financeiro do Líbano, enquanto a Rússia poderia se tornar ativa na arena diplomática.

Esperemos que uma segunda Síria possa ser impedida. A Síria tem defendido o ataque coordenado da NATO, das ditaduras do Golfo e de Israel e continua a existir em vez de se tornar um país dividido numa guerra civil permanente como a Líbia. Mas custou a vida a mais de meio milhão de pessoas e os danos materiais são estimados em três dígitos, numa soma de mil milhões de dólares. E uma parte do país ainda está ocupada por países da NATO, que roubam abertamente o petróleo do país.

Aquele que conhece a cena do Oriente Médio melhor do que ninguém, Elijah J. Magnier, escreve em um comentário:

“Irã, Líbano, Iraque, Iêmen e Síria são os exemplos mais óbvios do governo Trump ‘atirando na água’ e assim contribuindo significativamente para o sucesso do Irã e seus aliados. Agora a “política” de Trump – que identifica o Irão como “a maior fonte de instabilidade global” – está a criar espaço para que a Rússia e a China estejam presentes em cada vez mais países do Médio Oriente.  (12)

Com estas palavras de vaga esperança, este podcast vai fechar.

Fontes:

  1. https://www.rubikon.news/artikel/libanon-hat-gewahlt
  2. https://kenfm.de/standpunkte-%e2%80%a2-der-libanon-farbrevolution-oder-genuiner-aufstand/ 
  3. https://kenfm.de/standpunkte-%e2%80%a2-der-libanon-farbrevolution-oder-genuiner-aufstand-teil-2/
  4. https://en.wikipedia.org/wiki/2008_conflict_in_Lebanon 
  5. https://en.wikipedia.org/wiki/2006%E2%80%9308_Lebanese_protests 
  6. Außenministerium der Vereinigten Staaten, «What the Secretary Has Been Saying; Special Briefing on the Travel to the Middle East and Europe of Secretary Condoleezza Rice» (Washington, D.C.), July 21, 2006: <www.state.gov/secretary/rm/2006/69331.html> Link nicht mehr aktiv, auch nicht im Web-Archive verfügbar, aber es gibt zahlreiche Zitate im Internet.
  7. Mark LeVine, «The New Creative Destruction», Asia Times, August 22, 2006. 
  8. https://www.globalresearch.ca/dem-projekt-eines-neuen-nahen-ostens-kreative-zerst-rung-als-revolution-re-kraft/23196 
  9. https://www.zeit.de/politik/ausland/2017-10/netanjahu-israel-korruption-u-boote/seite-2 
  10. https://www.thenation.com/article/lebanon-protest-syrian-war/ 
  11. https://web.archive.org/web/20110622044631/http://domino.un.org/unispal.NSF/5ba47a5c6cef541b802563e000493b8c/97bad2289146f58a852568e9006d99bd 
  12. https://ejmagnier.com/2019/11/25/iran-russia-china-syria-and-hezbollah-are-the-uss-enemies-in-lebanon/ 

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Origem da imagem: Hussein Kassir / Shutterstock

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Auch interessant...

Kommentare (0)

Hinterlassen Sie eine Antwort