A visão de horror totalitário do Fórum Económico Mundial está a ser realizada

Um ponto de vista de Norbert Häring.

Até agora, o projecto tem decorrido sob o título “The Known Traveller”, no original The Known Traveller Digital Identity project”, em suma, KTDI.

Tal como o relatório da altura, o relatório de acompanhamento, o Livro Branco da KTDI, foi publicado na Internet no final de Janeiro, sem qualquer fanfarra. Estes relatórios, elaborados pela empresa de consultoria Accenture, só devem ser lidos por quem está envolvido na actividade de vigilância e segurança digital. Por razões compreensíveis, preferem falar de identidade digital em vez de controlo digital.

É assim que deve funcionar: Nós próprios enchemos uma base de dados com informação fiável sobre nós, ou mais precisamente, pedimos ou autorizamos outros a colocar dados sobre nós lá. Em primeiro lugar, isto deve ser uma prova de identidade, mas também a nossa história de viagem, dados bancários, alojamento em hotéis, reservas de aluguer de automóveis, documentos das universidades, gabinetes governamentais e muito mais. Se quisermos atravessar uma fronteira, damos voluntariamente às autoridades acesso a esses dados para que possam convencer-se previamente de que somos inofensivos. Usando o reconhecimento facial e o nosso smartphone (idealmente) biométrico, eles podem convencer-se de que somos quem dizemos ser quando eles atravessam a fronteira. Se formos suficientemente diligentes na recolha de provas digitais e tivermos sido suficientemente generosos com estes dados, seremos recompensados ao sermos autorizados a passar pelas filas de outros viajantes, recebendo tratamento preferencial e controlos mínimos, mas se houver alguma dúvida sobre as intenções de um viajante, o funcionário fronteiriço pode, com base nas informações fornecidas, “fazer-lhe perguntas mais aprofundadas, por exemplo, para compreender melhor as suas actividades recentes”.

É fácil imaginar como será “voluntária” esta divulgação de dados quando o sistema estiver em funcionamento. O ensaio está a ser realizado pelas autoridades fronteiriças do Canadá e dos Países Baixos, com as companhias aéreas KLM e Air Canada nos aeroportos de Amesterdão, Toronto e Montreal.

Não é, evidentemente, por um sentido puramente cosmopolita do dever que empresas como a Visa e a Google estão tão empenhadas em desenvolver um sistema deste tipo para as autoridades policiais, às suas próprias custas. Pelo contrário, as autoridades fronteiriças são declaradas o catalisador ideal para criar a massa crítica para um tal sistema de autocontrolo e partilha de dados, envolvendo gradualmente todos os governos do mundo. Porque, se um governo não participar, os seus cidadãos terão, a dada altura, grandes dificuldades em viajar internacionalmente.

O primeiro relatório, bem como o actual Livro Branco, afirma que o autocontrolo na fronteira serve apenas para criar uma massa crítica inicial de participantes na norma global que vai ser introduzida. Se isto for bem sucedido, se todos os governos tiverem aderido a esta norma para o intercâmbio voluntário forçado de dados com os cidadãos, então ser-nos-á permitido fornecer os nossos dados “para uso quotidiano” na interacção com as empresas e as autoridades (ousado no original). Em ambos os relatórios, as principais áreas mencionadas são a saúde, a educação e a formação, a banca, a ajuda humanitária e as eleições.

Um sistema global e totalitário

O Livro Branco da KTDI deixa clara a grande ambição do projecto na sua introdução:

Este documento descreve a ambição da KTDI de lançar as bases para um ecossistema de identidade globalmente aceite e descentralizado. … O sucesso dependerá da cooperação entre os governos, reguladores, companhias aéreas, fornecedores de tecnologia e outros actores mundiais para estabelecer normas e especificações técnicas globais que todos irão aderir.

As condições para a aplicação desta norma de monitorização global são excelentes. Serão utilizadas as normas actualmente em desenvolvimento pelo World Wide Web Consortium (W3C) para as credenciais verificáveis e os identificadores descentralizados. O W3C é o organismo de normalização mais importante para a Internet e é dominado predominantemente por empresas norte-americanas de Internet e telecomunicações.

Os membros do W3C sobrepõem-se fortemente aos da Decentralized Identity Foundation, que multinacionais como a Microsoft e muitas empresas mais pequenas da indústria da segurança digital fundaram para fazer avançar os padrões globais de controlo de identidade. As empresas aqui activas têm frequentemente contactos muito estreitos com a comunidade dos serviços secretos, se não construídos com dinheiro dos serviços secretos. A US Homeland Security tem estado envolvida no projecto Know Traveller desde o início. Nos fóruns de identidade digital relevantes, os representantes destas empresas reúnem-se com todos os principais nomes do mundo das agências de segurança e inteligência.

O truque é a ficção do voluntarismo, o consentimento expresso, mas apertado, para a utilização de dados, que se tem de dar sempre que se quer receber um serviço governamental neste sistema ou apenas se quer pagar qualquer coisa digitalmente. Tal como se tem de concordar com quase todos os pedidos de monitorização dos operadores do website se se quiser mudar para a World Wide Web.

Especialmente pérfido sobre o sistema:

“Uma autoridade emissora pode recordar um recibo verificável que tenha emitido anteriormente, actualizando em conformidade o acumulador baseado na cadeia de blocos cifrados”.

Imaginem como será quando este sistema for implementado como se pretende em todo o mundo, em todos os países, por muito repressivo que seja. Vamos partir do princípio de que a abolição da liquidez, que está a ser conduzida em paralelo, está a ser concluída com êxito. Para tudo o que quer fazer, depende da existência de um tick nos lugares certos na base de dados. Se não for bem sucedido com o seu próprio governo, este retirará o carimbo do seu bilhete de identidade.

Pode então tentar manter-se assim durante algum tempo. Mas o melhor é fazê-lo como na ficção científica “Sun on Credit” de Michel Grimaud de 1975. Quando o cartão electrónico, de que precisa em todo o futuro do romance para se deslocar e obter as suas rações, é confiscado por uma das máquinas de controlo automático, vai “voluntariamente” para a prisão e fica lá porque, caso contrário, morrerá à fome.

Mesmo que o Governo dos EUA ou os algoritmos controlados pelos seus serviços secretos tenham alguém no mundo atrás de si, eles podem fazer a mesma coisa. Ou fazem com que o respectivo governo invalide todos os documentos digitais da pessoa alvo, ou as empresas digitais dos EUA que controlam o sistema o fazem, ou os certificadores de crédito privados dos EUA fixam a notação de crédito em zero.

Muito disto já está a acontecer. Mas o sistema só será abrangente e perfeito quando existir uma norma técnica globalmente aceite que permita o acesso a todos estes dados e documentos. Só então Washington ou Fort Meade e Langley poderão controlar todas as pessoas em todos os cantos do mundo a partir do seu computador doméstico – e os governos autoritários nacionais poderão controlar todas as pessoas na sua própria esfera de influência, quer estejam no seu país ou no estrangeiro.
O Relatório Minoritário envia os seus cumprimentos

Pode até fazer sentir rudemente o anel do nariz, mesmo que não tenha feito nada, só porque um modelo de cálculo chega à conclusão de que pode causar problemas em breve, como no filme “Minority Report”. Esta ambição está documentada no primeiro relatório da KTDI do Fórum Económico Mundial, sob a forma de uma citação em destaque gráfica do director da Google, Rob Torres:

As empresas tecnológicas fizeram grandes avanços na mineração de dados, aprendizagem de máquinas e inteligência artificial que permitem uma análise preditiva avançada. Quando combinadas com informações fornecidas pelos passageiros, estas tecnologias podem ser utilizadas pelos governos para (…) analisar padrões complexos em grandes conjuntos de dados com o objectivo de prever os riscos de segurança nas fronteiras.

A citação deixa claro que a identidade digital não se resume a dar a todos uma forma fácil de provar quem se é através de uma certidão de nascimento digital ou de um bilhete de identidade digital, como os estúpidos gostam de ser levados a acreditar. Encontraremos outra citação de outra fonte mais à frente para o provar.

Não, trata-se de introduzir tudo o que se sabe sobre uma pessoa numa base de dados que pode ser explorada por todas as empresas e governos participantes e manipulada pelo soberano a qualquer momento. Para que as empresas nos possam conduzir como gado de consumo para a caixa certa em cada caso e nos descontar da melhor maneira possível, e nos possam manter baratos e controlar-nos como cavalos de trabalho. E para que os governos possam conduzir todos de forma não violenta por um anel nasal normalmente imperceptível e evitar que saiam do sistema.

É de notar que o Fórum Económico Mundial ainda não apresentou, alegadamente, um conceito para a governação desta infra-estrutura global de controlo totalitário, ou seja, quem deveria estar sob o controlo deste sistema. O Livro Branco diz:
Os trabalhos sobre a definição e desenvolvimento de um quadro de governação adequado para o conceito de KTDI prosseguem e serão abordados num futuro relatório.

Por outras palavras, os governos devem comprometer-se com este conceito sem que fique claro quem está a puxar os cordelinhos. Na realidade, é evidente que isso já é evidente. São Washington e as grandes empresas americanas, directamente ou através de organismos como o Fórum Económico Mundial, o W3C, o GAFI e muitos outros, que as dominam. Os governos estão dispostos a cooperar.

No entanto, os governos participam com entusiasmo neste conceito de vigilância global desenvolvido pelas empresas e pela segurança interna dos EUA no Fórum Económico Mundial. É comercializado pelas empresas participantes no sector da segurança e da identidade sob a designação eufemística de Self-Sovereign Identity (SSI). Na Alemanha, o governo tem vindo a submeter-se a um bombardeamento durante dois anos sob o nome de propriedade de dados para este sonho húmido dos polvos de dados e das autoridades de vigilância.

Em Bruxelas, a abreviatura SSI está a começar a ganhar força. O órgão subsidiário da UE, o Comité Económico e Social Europeu, no qual estão representadas associações patronais, sindicatos e outros grupos de interesse e que é suposto representar a “sociedade civil organizada”, desenvolveu um Quadro Europeu de Identidade Autónoma (eSSIF), ou – provavelmente melhor expresso – deixou-se subordinar ao Fórum Económico Mundial. É praticamente um-para-um o conceito de horror do Fórum Económico Mundial. Encontra exactamente os mesmos gráficos e frases tão bonitas como estas:

Quando dizemos identidade digital, temos de a entender como a soma de todos os atributos que existem sobre nós no mundo digital, uma colecção de pontos de dados em constante crescimento e evolução.

A citação é retirada do “relatório do Observatório Europeu da Identidade Digital e da Cadeia de Bloqueios”. A identidade digital significa, portanto, tudo o que há para saber sobre nós, as nossas acções e as nossas preferências.

Os governos de 21 países, incluindo a Alemanha, formaram uma “Parceria Blockchain Europeia” apenas três meses após a reunião do Fórum Económico Mundial em que foi apresentado o conceito de “Viajante Conhecido”, a fim de fazer avançar o conceito de vigilância do Fórum Económico Mundial na sua encarnação europeia eSSIF. Um dos objectivos de trabalho finais desta parceria, tal como referido na apresentação do Comité Económico e Social acima referida, consiste em saber como preservar os valores democráticos europeus na implementação da SSID. Boa sorte, isso vai ser difícil!

Existem vários outros grupos e parcerias a nível europeu para a implementação do SSID, todos eles ultrapassando o âmbito desta apresentação. Deveria ter ficado claro: KTDI e SSID não se trata de ideais irrealistas de Washington e do Data Kraken, mas sim de algo que está a ser impulsionado em todo o mundo com muito empenho e grandes hipóteses de sucesso em segundo plano. Não nos aperceberemos muito disso até que esteja presente.

Covid-19 traz o antegosto

A reacção ao Covid-19 na Coreia do Sul e especialmente em Wuhan, na China, e ao que se está a pensar e, em parte, a fazer no mesmo sentido, é uma excelente antecipação do que estamos a viver de acordo com as ideias das empresas e dos governos. Controlo total da população algorítmica. Em Wuhan, se não conseguir mostrar um botão verde no seu smartphone de vigilância que indica que provavelmente não está infectado, só pode deslocar-se a pé, no máximo, e não é permitido entrar em restaurantes e afins. Na Coreia do Sul, as gravações das câmaras de vigilância, os dados dos cartões de crédito e os dados GPS são avaliados para identificar e localizar potenciais portadores do vírus. O Covid-19 é como um presente enviado pelos céus para os planos do Fórum Económico Mundial.

Uma vez que o conceito KTDI tenha sido implementado e generalizado ao SSID, os supervisores, nesses casos, só precisam de verificar a base de dados para ver se um foi testado ou se os seus próprios dados GPS foram registados na vizinhança imediata de uma pessoa infectada ou numa área de risco, podendo então a liberdade de circulação e acção ser restringida de forma arbitrária e automática. E, graças ao Covid-19, muitas pessoas consideram agora mesmo desejáveis estas possibilidades totalitárias.

+++

Este post apareceu pela primeira vez em 08.04.2020 no blog Geld und Mehr

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Fonte de imagem: stock-images/  shutterstock

+++

A KenFM esforça-se por obter um amplo espectro de opiniões. Os artigos de opinião e as contribuições dos convidados não têm de reflectir os pontos de vista dos redactores.

+++

Gosta do nosso programa? Informações sobre outras possibilidades de apoio aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora também nos pode apoiar com as Bitcoins.

BitCoin endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqSoW5TL1z1PZgZK

Auch interessant...

Kommentare (0)

Hinterlassen Sie eine Antwort